Seja na otimização dos investimentos, na redução de custos ou na diminuição do time-to-market, o uso da nuvem é uma das principais tendências em TI dos últimos anos. Apenas no Brasil, segundo pesquisa do IDC, o mercado de serviços na nuvem deve crescer 36,6% em 2020, chegando a US$ 3,5 bilhões.

Durante o Liferay Digital Experience Conference (LDXC), Thiago Moreira, solutions architect da Liferay, contou como, a partir da experiência adquirida no tratamento de problemas reais de empresas de ponta, o DXP Cloud traz funcionalidades que resolvem cinco grandes desafios dos times de TI e negócio:

1- Monitoramento

Estruturar um bom sistema de monitoramento on premise exige cumprir etapas e responder uma série de perguntas que tomam tempo do time. Apenas a etapa inicial de definição de qual software utilizar já consumirá um tempo que poderia ser aplicado para outras atividades chave para o negócio. Além disso, ainda haverá dispêndio com contratação, integração, configuração de firewalls para execução do monitoramento, entre outras coisas.

"Com a integração com Dynatrace, DXP Cloud permite monitorar nativamente tanto métricas mais simples como uso de memória e CPU, quanto informações mais detalhadas como a quantidade de usuários utilizando o sistema, quantidade de micro serviços rodando, localização de possíveis gargalos como indisponibilidade ou lentidão", comenta.

2- Autoscalling

Imagine que o RH de uma empresa resolva fazer uma pesquisa interna onde 10 mil funcionários vão acessar a intranet (digital workplace) em um mesmo momento. Isso pode causar problemas de performance, de congestionamento, e a equipe de TI necessita de uma maneira para escalar horizontalmente o sistema.

"Usando o DXP Cloud isso pode ser feito de forma ágil e automática. Ao habilitar o autoscalling a plataforma começará a fazer o tracking das métricas de memória e CPU que estão sendo utilizados. Caso essas métricas atinjam um nível previamente configurado como crítico, a plataforma vai fazer automaticamente o deploy de um novo container no ambiente de produção", explicou.

Uma tarefa simples como a descrita, em uma configuração on premise, poderia levar semanas já que seria necessário renegociar contratos com fornecedor, adquirir novas máquinas ou ainda instalar a versão mais recente utilizada no ambiente produtivo. 

No caso da empresa que necessita fazer a enquete com seus 10 mil funcionários bastaria, após o período da pesquisa, com apenas um botão, desativar a função de autoscalling e voltar ao tamanho de cluster contratado originalmente.

3- Backup

Este é um ponto em que muitas empresas encontram gargalos. Uma das questões centrais para boa gestão do backup é ter à mão informações chave como data do último backup realizado, data do próximo agendado automaticamente, qual o tamanho dos backups, qual o mais antigo à disposição para restaurar e qual o tempo de retenção de cada um.

"No DXP Cloud, colocamos todas essas informações em um painel de controle único, excelente para o acompanhamento de gerentes de projeto e líderes técnicos", afirma Moreira. Além disso, comenta, poder acionar manualmente o backup a qualquer momento é uma das vantagens da plataforma da Liferay. "Imagine que você está fazendo um deploy para produção e, para se resguardar de uma possível inconsistência na base de dados, basta clicar em um botão para que o DXP Cloud faça o backup completo para você."

4- Self-healing

"É um desafio gigante para as empresas, a ideia aqui é que o sistema se cure automaticamente. O que vemos geralmente nas companhias é a presença do Network Operation Center (NOC), aquela sala cheia de monitores medindo o desempenho dos micro serviços e sendo acompanhados por um time", comenta Moreira.  

A nuvem permite modernizar este processo. No DXP Cloud, os serviços como database, search, backup ou webserver, entre outros, têm a capacidade de self healing a qual é composta por dois verificadores. "O verificador de liveness checa se o serviço está rodando, e o verificador readiness checa se o serviço está pronto para receber requisições dos clientes", explica. Cada um dos verificadores possui um conjunto de seis parâmetros que podem ser configurados e determinam o status do serviço.

As informações sobre os serviços ficam disponíveis em um painel de controle que permite fazer o que o NOC fazia, checar quando é necessária a intervenção humana para corrigir um problema.

5- Disaster Recovery

Soluções em nuvem ajudam a simplificar o complexo processo de ter disponíveis vários data centers para garantir a resiliência do negócio online.

"Para manter seu negócio online, uma empresa pode precisar de dois ou mais data centers que garantam sua disponibilidade não importa o que aconteça. A logística dessa implementação é complexa e soluções em nuvem ajudam a simplificar este processo", analisa Moreira.

No caso do DXP Cloud, há dois tipos de disaster recovery, automático ou cross-region. "Um exemplo da opção automática é de uma empresa nos EUA que escolhe fazer deploy em um data center no Oregon. Na mesma região há mais dois data centers disponíveis. O DXP Cloud identifica isso e, caso haja problemas no data center inicial, a plataforma fará automaticamente o deploy em outro na mesma região", conta.

No caso do disaster recovery cross-region é necessária a intervenção manual e consiste na recuperação entre data centers de diferentes zonas de disponibilidade. No caso citado, se houver falha nos data centers em Oregon, a empresa poderia optar por utilizar um disponível em Londres, por exemplo.

Os diversos recursos de recuperação oferecidos na nuvem trazem a possibilidade de usar data centers de diferentes regiões, garantindo a resiliência do negócio online, com transparência e sem que isso atrapalhe a experiência dos usuários.

Saiba mais sobre o Liferay DXP Cloud

Confira como o DXP Cloud pode a ajudar a resolver os desafios do seu negócio.

Saiba mais  
Comments